terça-feira, 28 de abril de 2009

Redenção.

Tento não ligar, jogo o celular na cama e insisto a mim mesmo que pior que ciúme é o excesso de atenção. Com essa seria a terceira vez que nos falamos num dia mesmo depois de se ver. Porque não esperar a saudade e com ela o gostinho da voz por um dia não ouvida? Parece uma teoria plausível se não fosse a minha impulsividade. O ápice do prazer é o maior sintoma de um vício que se forma. Prometo não olhar-te com os olhos abobalhados e quando me vejo já estou com cara de idiota. Seguro as mãos evitando carícias exaustivas, mas elas me escapam e vão ao encontro do teu pescoço. Negar-se ao impulso da paixão é mesmo que negar a própria essência. O amor é em si como a Gabriela de Jorge Amado. Ele nasce assim, cresce assim e vai ser sempre assim. Eu resisto. Tento matar minhas manias, mas confesso que me rendo.

4 comentários:

  1. Parabéns !

    Otimização de recursos e serviços.
    http://menosbits.blogspot.com/
    O jeito inteligente de se usar a internet.

    ResponderExcluir
  2. É minha redenção descrita perfeitamente.

    ResponderExcluir
  3. as vezes devemos nos render mas as nossas vontades ... talvez assim sejamos mais felizes !

    ResponderExcluir